INSS – O afastamento chegou ao fim. O que acontece agora?

0
710

Se você quer saber o que acontece quando o afastamento chega ao fim, esse post pode lhe ajudar muito.

Aqui falarei sobre os procedimentos que antecedem a volta do trabalho do profissional e explicarei em detalhes o tema.

Boa leitura!

Fim do afastamento do INSS para cada beneficiado

– Licença-maternidade:

Quando a mulher segurada sai de licença-maternidade, a empresa sabe exatamente quando ela deve voltar.

O afastamento acaba contando a partir do dia em que a funcionária para de comparecer ao serviço, podendo variar o período de 120 dias ou, se a empresa participa do Empresa Cidadã, 180 dias.

– Afastamento por invalidez:

Já o afastamento por invalidez é considerado um afastamento definitivo, a menos que aconteça uma nova perícia, que acontece a cada dois anos e identifique que o profissional está pronto para retomar as suas funções.

Como cada caso é um caso, existe a dúvida de quantos dias é o afastamento pelo INSS, mas nesse caso, o funcionário é desligado totalmente da empresa.

– Afastamento por doença ou acidente:

Nos casos de afastamento por doença ou acidente, é o médico perito que vai determinar a duração do afastamento no documento que for enviado para a Previdência.

Caso seja considerado necessário, o trabalhador pode solicitar a ampliação do período de afastamento através do Meu INSS.

Claro, para que essa possibilidade possa ocorrer, você vai depender de uma nova perícia médica para que o prazo de prorrogamento do prazo seja confirmado.

A menos que uma dessas situações acabem caminhando para um quadro mais definitivo, de incapacidade do exercício da atividade profissional, o afastamento do INSS, naturalmente chega a fim.

Assim, na melhor as hipóteses, o trabalhador acaba se recuperando por completo e pode voltar as atividades antes de precisar se afastar.

Mas, caso as sequelas impeçam o trabalhador de retomar o serviço normalmente, ele precisa passar por um processo de reabilitação profissional.

– Reabilitação profissional:

O serviço de reabilitação profissional, quando necessário, é oferecido gratuitamente pelo INSS e existe para que o trabalhador possa de adaptar a retomada ao mercado de trabalho.

Ou seja, ele voltará a trabalhar em uma atividade que seja compatível com a nova realidade.

– O direito de tirar férias:

Se o trabalhador receber, por mais de seis meses, de maneia continuada ou não o benefício do afastamento, ele não pode receber as férias de serviço.

Vamos a um exemplo mais prático?

Suponhamos que Amanda tenha ficado doente depois de trabalhar 10 meses na Empresa A.

Sem problemas nenhum, ela conseguiu o seu direito de afastamento pelo INSS até que estivesse pronta para voltar a trabalhar.

Voltando ao trabalho, mesmo que faltasse apenas dois meses para ela completar um ano e obter o gozo das suas férias, ela não tem direito as férias.

Isso acontece porque ela não atingiu os 12 meses de trabalho.

Nesse caso, uma nova contagem passa a iniciar na hora da volta.

Vamos supor agora que Alex sofreu m acidente de trabalho, trabalhando na empresa durante 15 meses.

Nesse caso, ele cumpriu o período de 12 meses para serem concedido as férias.

Portanto, depois de ele retomar ao trabalho, ele segue com o direito de obter as suas férias, cabendo ao patrão decidir quando será esse momento, de acordo com o que está previsto em lei.

Para ainda mais informações, acesse : https://meu.inss.gov.br/central/#/login?redirectUrl=/

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui